Escola Vidal Ramos Júnior, de Concórdia: Um segundo lugar com sabor de conquista

28/11/2016
Carlos Stegemann

“Sabíamos que seria um jogo difícil e que seria vencido por quem errasse menos”, resumiu a atleta Emanuela Conte Balbinot, da escola estadual Vidal Ramos Júnior (Concórdia) após a sofrida derrota por 1x0 para as garotas da escola Lourdes Lago, de Chapecó, na final do Bom de Bola 2016 em São Ludgero no último domingo. A garota de apenas 14 anos e com um futuro promissor pela frente estava abalada após o apito final, mas nem o resultado negativo apagará a boa impressão que ela e suas companheiras deixaram durante o certame.

Manu, como é chamada pelas colegas e pelos treinadores, veste a camisa 10 e é a capitã da equipe. Durante a campanha de seis jogos da fase final em São Ludgero a garota encantou quem assistia às partidas, fosse pela liderança dentro de campo, pelos belos dribles ou pelos chutes com os dois pés – muitos dos quais se converteram em gols. O bom desempenho chamou atenção de todos. A garota era muito elogiada por todos. Mas após o apito final da decisão, ela sentou no gramado e chorou, falando poucas palavras.

Esta foi a última participação da garota no projeto Bom de Bola, pois em 2017 ela já passará da idade limite de 14 anos da competição. No entanto, seu futuro no esporte só dependerá da sua vontade, pois as portas já foram abertas. “Temos um trabalho forte de futsal em Concórdia e a intenção é mantê-la conosco por pelo menos mais dois anos, pois ela ainda é muito nova. A gente sabe que tem que encaminhá-la para um clube grande, mas isso ainda tem tempo. Ela precisa crescer, ganhar maturidade”, comenta o professor Emiliano Ferrari.

O caminho da escola Vidal Ramos Júnior para a final do Bom de Bola em São Ludgero foi quase perfeito, com quatro vitórias e um empate na fase final. Mesmo após a derrota para o time de Chapecó, a equipe foi muito elogiada. “A equipe de Concórdia é uma excelente equipe, o professor Emiliano fez um ótimo trabalho. Os dois que chegaram à final mereceram. Se fossem eles que tivessem ganhado, a gente também estaria feliz porque o título também seria do Oeste”, disse o professor Amauri Giordani, da Lourdes Lago, após o jogo.

O jogo deste domingo poderia ter um desfecho bem diferente. Poucos minutos antes de sofrer o gol da derrota, a equipe da Vidal Ramos Júnior quase abriu o placar com Suelen Telles, que aproveitou uma saída errada do time de Chapecó e quase encobriu a goleira, mas a bola foi para fora. Esta sucessão de fatos representa bem o que a capitã Manu falou após a partida, mas o resultado final não deve ser algo que abale estas meninas.

Amanda da Silva de Paris tem 13 anos e ainda poderá jogar mais um ano pelo projeto. A garota de Concórdia foi escolhida a melhor jogadora da decisão mesmo com o revés, o que evidencia ainda mais o equilíbrio. “Sei que todos os jogos foram muito difíceis, a gente batalhou muito e estamos felizes por chegar até aqui. Gostei de participar do meu primeiro Bom de Bola e ser escolhida a melhor da final, apesar do resultado negativo”, disse.

É com esse sentimento que estas garotas devem encarar o desfecho do certame. Afinal, uma derrota pode ensinar ainda mais que as vitórias. “Essas meninas estão de parabéns não só dentro de campo, na sala de aula também são sensacionais. Todas têm boas notas e são o orgulho da escola”, resumiu o professor Emiliano. 

Fotos: Carlos Stegemann